quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Humor ao alto XCIV

Histórias de Coisa Nenhuma e Outras Pequenas Significâncias

— Tenho um gato que pesa cento e cinquenta quilos.
— Mas isso é um tigre!
Coça a cicatriz, extensa, no coto do pescoço.
— Será?
In Histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias, pág.68, Augusto Baptista

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Humor ao alto XCIII

Histórias de Coisa Nenhuma e Outras Pequenas Significâncias

À despedida, sacramental, a recomendação: Vai devagar. Tens tempo, meu filho.
Luisinho sai e dona Dulce queda-se à porta: o caminho de terra batida, a laranjeira, a pedra do pátio, o pé de couve, o muro, o último aceno, à esquina. Depois a estrada, infinita.
Dona Dulce deixa-se ficar, olhar na ausência, coração nas mãos: o desatino, as correrias, os repentes dos miúdos no recreio.
Mãe é mãe!
Ao cair da tarde, Luisinho surge à esquina, no muro. Um aceno. Depois o pé de couve, a pedra do pátio, a laranjeira, o caminho de terra batida... Dona Dulce na eternidade de quem espera.
Alta madrugada, enfim, nos corninhos um do outro. Todo suado! Havia necessidade de vires a correr!? Mãe e filho lavados em baba e ranho. Dá cá um beijo, maroto! Corpos em caracol colados.
In História de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias, pág. 92, Augusto Baptista

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Humor ao alto XCII

O país de Alice

Num estranho acidente, as mãos da menina Alice ficaram presas na porta do autocarro 35. Avaliadas as hipóteses de desencarceramento, os técnicos concluíram: melhor seria não arriscar. Posta ao corrente, concordou, tanto mais que lhe garantiam o mesmo ordenado do escritório, descontos para a Segurança Social, subsídio de refeição, pernoitas. E, ademais, sempre que quisesse, a família podia vê-la. A partir daí, dia e noite, a menina Alice e o 35 passaram a viver juntos: um casal, a bem dizer. A ocorrência tornou-se notícia, com cobertura mundial de televisões, rádios, jornais. A sorte grande para a menina Alice, que parecia condenada a passar a vida a teclar ofícios, mãos presas à velha Remington.
In O caçador de luas, pág.16, Augusto Baptista

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Humor ao alto XCI

O sem abrigo

O casamento, o bem-estar, o espaço, tudo sacrificou por amor aos livros. Vivia para eles - mancha crescente a acastelar-se nas paredes da casa, a atapetar o soalho e a engordar em montículos, logo conglomerado denso, cada vez mais grosso, avidamente a consumir o quarto, corredor, cozinha...
E veio um tempo em que só de pé podia dormir, após rastejos entre galerias de papel, lombadas, letras, vocábulos. E sempre novas edições, prémios Nobel, jogos florais, suplementos literários, colecções, irrecusáveis desafios à pulsão bibliófila. Breve, impedido de ler, entrava em casa de pé-de-cabra, assalto árduo, corpo na disputa milimétrica entre obras empilhadas, monolítico ocupante.
Ontem forçou a porta, delongadamente. Pelo minguada fresta alcançada, logrou introduzir uma derradeira obra: delgado impresso de folha única, papel bíblia. E, expulso de casa pelo amor aos livros - objectos cruéis, o livros -, partiu em demanda de uma outra paixão, num sítio qualquer.
In O caçador de luas, pág 66, Augusto Baptista

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Humor ao alto XC

Arte e manha

Quando a desoras passou no teatro, a corista saía em passo miúdo, saia travada. E fez-lhe um sinal. Seguiu-a, sem uma palavra, sulcou a cidade, até ao limite. No outro lado do rio, esperava-os a talha baça de um altar, penumbrado pelo bafo de círios e álcool, entre anjos, santos, crucifixos, caruncho. E um padre rançoso. Sim é tudo quanto se lembra ter dito, por isso vagamente lhe ser perguntado.
In O caçador de luas, pág. 134, Augusto Baptista

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXIX

Histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias

Pecado mortal é a irmãzinha comer o feijão-frade na sacristia.
In histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias, pág.71, Augusto Baptista

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXVIII

Histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias

Ao contrário do que se pensa, os homens não são poluidores. São biodegradáveis.
In Histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias, pág 97, Campo das Letras, Augusto Baptista

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXVII

Histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias

O foguete rebenta, nas nuvens. Em curvas largas e volteios indecisos, a cana circunda a romaria. De repente, embica para baixo, veloz, determinada. E crava-se, letal, mesmo no alto da careca do presidente da comissão de festas. Para o ano que vem, o fogueteiro tem debaixo de olho o presidente da junta.
In Histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias, Campo da Letras, pág. 85, Augusto Baptista

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXVI

Prenda de anos

Irá oferecer o quê ao filho, pelos anos? A resposta paira no que gostaria ele de ter recebido num dia assim, do seu próprio pai. Talvez um bibe ornado de coelhos com chupeta a condizer, ou um ursinho de peluche castanho-claro, coleira e guizo, embora o pêlo, chamariz de ácaros, aconselhe a opção arejada de uma carreta dos bombeiros, ou de um carro desportivo em ponto grande, boneca loira sentada à frente, ele ao volante, prego a fundo, no porta-bagagem uma caixa de charutos e muito Habana Club.
In O Caçador de luas, pág. 114, Augusto Baptista

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXV

A viajante

Abordou o balcão decidida a tratar de tudo e embarcar nessa mesma noite ainda. Perguntada pelo destino, de tão perdida, pediu ajuda.
Propuseram-lhe Austrália, vida selvagem, cangurus; o mar azul-ferrete dos Açores; Ásia, o ar puro dos Himalaias; América, cordilheira andina, vestígios incas; África, o arrepio do deserto do Calaari.
Deixou-se tentar pelo Brasil poético: preço a não arruinar o orçamento, opiniões encorajantes. E correu para casa, ultimar detalhes, que o tempo urgia.
Breve, assento fofo de primeira, perna esticada, nos joelhos uma manta grossa e, entre mãos, aberto, o passaporte a franquer a viagem: "Poesia Errante: derrames líricos, e outros nem tanto ou nada", de Carlos Drummond de Andrade.
In O caçador de luas, edição gatopardo 2003, pág.20, Augusto Baptista

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXIV

Histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias

Anda pela rua, aos pulos, braços no ar, as mãos em agitado abre-fecha, como se quisesse caçar estrelas, talvez pirilampos.
A cidade ignora-o. Mas tempos houve em que todos o adulavam. Isto antes de a sua sorte ter mudado, naquele jogo, naquela sinistra flor: pontapé de baliza em toque de calcanhar!
Num poético rodopio, a bola flectiu para a direita, rasteira, inocente. E quando parecia ir desfalecer a escassos metros, por acção de um intrigante contra-efeito, reanimou em inesperados ziguezagues, junto à linha lateral. Ele, ao longe, a medir o trajecto calculado.
Toda a gente apanhada de surpresa, lá no fundo a bola angulou noventa graus: exactos, mesmo no canto da bandeirola. E, cega de golo, raiou em arco. Para a baliza.
— Ahhh!
Contra a barra, exprimiu-se num trovão, a bola. E da barra ressaltou para a frente e muito por alto. Excessivamente para a frente, demasiado por alto: sobressaltou-se!
Naquela hora, mandavam as leis da Física, ele sabia. Leis avessas a sortilégios e magias. Impotente, viu a bola cruzar o campo... O estádio suspenso, viu, baliza a baliza, meu Deus, viu a bola a cruzar o campo... a romper pelo ar o reduto defensivo, a crescer, a ganhar volume de ameaça, a bola...
E ele viu, desesperadamente, apontada ao ângulo, viu, fulgor de relâmpago, viu a bola a entrar, mágica maravilha, a bola, o estádio, as pessoas, tudo a entrar, tudo a explodir em estrelinhas no fundo das malhas, loucas estrelinhas no fundo das malhas, tantas e tão inesperadamente no ar, tão ali ao alcance das mãos, a tremeluzir...
In Histórias de coisa nenhuma e outras pequenas significâncias, pág. 93, Augusto Baptista

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXIII

No desmaranho do turundundum

O miralmuminim excogitou conjúgio à legatária, pucela núbil semiscarúnfia, aveza a seramangar. Antre solfa, kissanges, cuícas, dicanzas, sanfonhas, e caporroto, e grogue, e bué de pitança, no alcaçarel bruou funçanata. E per las quadrelas, alcaçarias, vilares, glebas, se adentraram pervicazes caduceadores conubiais, azoinando o assessegamento das poblas.
Um dardanário senecto, malroupido, façudo, malacafento, esculcou-se da poranduba, soforou o solípede, alou.
Empero, de longada uma mofina procela se alvorotou. Trépidos, no desmantelo, azemel e mua se amocambaram em lutulenta madrigoa. Moxinifados no valhacouto, subitâneo assonou um cerebrino quasímodo, façulas manga flagiciosas, qua-tal um aveediço olhizaino, aprestado de gládio e chuvim.
Metafisga de factótum, o onzenário fariscou alá gadunhas do exu:
— Uxte! Zurre!
O cramulhano alforfilhou com polvorinho uzifur e reboo. Concomitante, na cureta da lura surdiu ebúrneo Pégaso.
No terragido, o chatim malazengo alquinou presentaneamente. Nessora, o empíreo tetrópode esgalreou o escanifrado tergo do bucéfalo. E no angu, volitaram, zinzilularam, turbilhonaram, delongado prazimento célico. Presto, em inconcussas boninas, se despartiram.
Dementre, no alcançarel, a avondada pucela conjungiu-se com um pecunioso proco: símil ao solipso dardanário macróbio, delfino no desmaranho do turundundum.
In O caçador de luas, pág. 126, Augusto Baptista

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXII

Uma história exemplar

Era uma vez um casal de piolhos que conseguiu instalar-se numa bonita cabeleira. Com o tempo a trupe cresceu, conquistou outras cabeças. E não tardou a assumir o poder.
Ninguém mais se coçou.
In O caçador de luas, pág. 75, Augusto Baptista

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXXI

A velha que escrevia cartas de amor

Chegou encolhido, mão a segurar a mão, olhos baixos. Velha Serafina abriu a porta, cautelosa:
— Que mandas?!
Levou a mão ao bolso, insinuou a carta.
— Entra.
Sem delongas, à luz intimista da candeia, a velha leu a missiva devagar, entoação melosa a meia-voz. E Mariano ouvia. Afogueado na cara, nos olhos, nos olhos presos às mãos entrelaçadas, ouvia. Ouvia, em sobressalto.
Finda a leitura, breve diagnóstico ao rosto do rapaz, Serafina compulsou modelo competente em As trinta mil e três mais apaixonadas cartas de amor, grosso almanaque. Dextra, breve achou resposta adequada. Caligrafia cuidadosa, palavra a palavra soletrada, transcreveu:

Minha Senhora,
Quando li a sua declaração, confesso que fiquei aturdido. Vivendo Vossa Senhoria na cidade, onde não lhe faltarão pretendentes, como explicar o seu interesse por um moço da aldeia? Diz serem sérias as suas intenções. Sem disso querer duvidar, sinceramente, temo haver atrevimento excessivo no que me propõe, ousadia só possível numa mente tresloucada pelos doces eflúvios do amor.
Apesar de adivinhar na sua missiva boas intenções, não me atrevo a conceder-lhe encontro no domingo. O ardor da paixão aconselha recato, neste meio tão pequeno, ademais envolvendo uma senhora citadina e, acrescidamente, viúva. Imprudente seria pois, como sugere, vir esperar-me à saída da missa para o seu rosto apaixonado aí romper o anonimato.
O mais que se pode fazer, para não atearmos as vozes do mundo, soltarmos veneno alcoviteiro, é eu esperá-la na sexta-feira à noite, na casa da eira, ao pé do moinho, depois, claro, de toda a gente se haver acostado. Poderá então Vossa Senhoria tirar a máscara e desvendar, sem sobressalto ou pressa, tudo o que tem para me dizer.
Com sumo respeito, fico a aguardá-la.
Este que se assina,
Mariano

A explodir no calor da lareira, Mariano tudo escutou, sem um reparo. Velha Serafina fechou o envelope, escreveu o endereço da desconhecida amante.
— Tira-te de cuidados, amanhã compro selo e mando.
— Nem sei como agradecer, senhora Serafina.
— Não faltará ocasião.
Dissolvido na noite, Mariano sai. Serafina, rigorosa, guarda a carta no fundo da gaveta. Pelo anel passa uma ponta de lã, dá discreto nó: uma lembrança. Mera precaução para não se esquecer de sexta à noite, do compromisso.
In O caçador de luas, pág. 132, Augusto Baptista

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXX

A função e o órgão

A função faz o órgão, modela o indivíduo: disso a vida nos dá inúmeros testemunhos. Destaque nos jornais teve o caso do serralheiro-mecânico londrino, braço direito transformado em chave inglesa. Absurda ocorrência foi a cabeça do pedreiro alemão, muito cerebral na obra, concretizar-se em vulgar tijolo-burro. Patética é a história do cirurgião-cardíaco, que, paulatinamente adelgaçado com o refinamento do corte, um dia se revelou bisturi.
Mas há exemplos mais inquietantes.
Todos recordarão o matemático argelino tornado algarismo. E como não citar, acontecimento que traz ufanos os confrades de Língua, o escritor brasileiro modelado em vocábulo? Mas, o mais intrigante, permanece o caso dos músicos austríacos - ela, soprano; ele, contrabaixista - progenitores de uma numerosíssima prole de notas musicais.
In O caçador de luas, pág. 47 Augusto Baptista

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXIX

Os primeiros passos

De tempo, só precisava de tempo (e de remover um pequeno obstáculo) para vencer na escrita. Pela manhã, fez a mala: várias mudas de roupa, resmas de papel, dúzias de lápis. E foi entregar-se à polícia, não sem antes ter passado pela casa do editor.
In O caçador de luas, pág. 90, Augusto Baptista

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Humor o alto LXXVIII

Confronto

Peito à mercê, João. Inclemente, António prime o gatilho. O cão, avanço tenso, fere o fulminante. Como esperado, a acção percutora desperta na pólvora dormente uma reacção demencial. Envolta em névoa de gases compressos, a lamber a alma estriada do cano, a expandir-se em detonação na boca, na boca da arma, a bala!
Na brevidade de um ui, destino precordial, o projéctil ousa anatómico percurso: rompe a pele, a fáscia superficial, a fáscia profunda, rasga o grande peitoral, insinua-se no quinto espaço intercostal, rasga a musculatura breve, penetra a fáscia endotorácica, o saco pericárdico, dilacera o ventrículo direito numa desmesura negra...
Coração a fibrilar, desconexão caótica de impulsos e espasmos, olhos esbugalhados, indicador tenso, João prime o gatilho, inclemente. Peito à mercê, António. O cão, avanço tenso, fere o fulminante. Como esperado,
In O caçador de Luas, pág. 100, Augusto Baptista

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXVII

Reflexo voraz

No balanço de água mansa que lhe banha os pés, vê a sua imagem adolescente ondear, quieto reflexo transparente à tona. Um fio líquido distende um pormenor, de supetão logo outro, e o resto se revolve no redemoinho, num instante. Na elástica tensão e distensão da superfície, o reflexo rola desconexo, tropeça nos cotovelos pedregosos junto à margem, rasga-se nas arestas aceradas dos roquedos, balbucia, imerge no tumulto da curva de águas derrapantes.
Insondáveis liames retrocedem ao lume de água, no lapso de um chicoteio, outros se insinuam no ânimo líquido, traiçoeiros buscam os pés adormecidos no remanso, e os alcançam, e os enlaçam no ímpeto da corrente.
In O caçador de luas, pág. 97, Augusto Baptista

domingo, 5 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXVI

A morte do artista

A mulher descalça estendeu na relva uma toalha líquida e sentou-se, à margem. Nas mãos claras, uma garrafa guardava já a mensagem pungente, desenlace escrito em papel mortalha. Um passarinho esmaecia a tarde num gorjeio roxo. Foi quando o trapezista amarrou a corda no céu e, sob um rufo baço de tambores, deu início à cerimónia.
In O caçador de luas, pág. 96, Augusto Baptista

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXV

Quebranto

O torpor do Lobo Mau depois de engolir a Avozinha.
In Elucidário Oblíquo do Reino dos Bichos, pág. 41, Augusto Baptista

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXIV

Polvo

Molusco com oito braços chamados pernas.
In Elucidário Oblíquo do Reino dos Bichos, pág. 38, Augusto Baptista

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Humor ao alto LXXIII

Melro

O que anuncias no teu bico libertário, melro negro?
— Morte! A morte, ao cativeiro!
In Elucidário Oblíquo do Reino dos Bichos, pág. 31, Augusto Baptista
Humor ao Alto, LXXII

Dúvida

O que terá aparecido primeiro: o anzol ou o peixe grelhado?
In Elucidário Oblíquo do Reino dos Bichos, pág 15, Augusto Baptista