segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O boca de ouro

A mulher esmera-se em gemadas e sumos de limão, ele numa azáfama de gargarejos de água e sal, toda a semana. Dois dias antes, grau absoluto de mudez, entra em estágio. Chegado ao campo, abre a boca - no início do jogo - fecha-a, logo no fim. Dentro do estojo, volta a guardar a áurea dentadura, desnecessário apetrecho para sorver agora gemadas e sumos de limão, toda a semana: novo ciclo de abstinência fónica para manter em forma o locutor de futebol.
In O caçador de luas, pág 37, Augusto Baptista

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Quem come quem

Foi à mercearia procurar fermento, do bom. A atestar o acerto da compra, a massa inchou na forma, cresceu no forno, excedeu no fogão, galgou cozinha, moradia, aldeia, engoliu o adro pleno de gente aflita, a torre sineira, o vale, o cocuruto do monte. A salvo da destemperada gula, só um irrequieto bando de pardais, entretido a depenicar o bolo.
In O caçador de luas, pág. 54, Augusto Baptista

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Humor ao alto CXXXV

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Humor ao alto CXXXIV

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Humor ao alto CXXXIII

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Humor ao alto CXXXII

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

O castigo

dezintereçad...!? Tanta asneira, Joãozinho! De castigo a menina vai para casa escrever: desinteressadamente! d-e-s-i-n-t-e-r-e-s-s-a-d-a-m-e-n-t-e! Quarenta vezes! Q-u-a-r-e-n-t-a-v-e-z-e-s! Q-U-A-R-E-N-T-A!

desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente
desinteressadamente desinteressadamente

Exausta, adormece. A mamã guarda a esferográfica, fecha o caderno dos deveres, leva a Joãozinho ao colo, para a cama. Pela manhã, a menina acorda, toma o pequeno-almoço. E vai para a escola.

dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente
dezintereçadamente dezintereçadamente


Humor ao alto CXXXI

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Humor ao alto CXXX